terça-feira, 30 de agosto de 2016

TEMER PRETENDE CRIAR DOIS NOVOS TIPOS DE CONTRATO DE TRABALHO



Publicado em Bahiaeconômica

Com um contingente de 11,6 milhões de desempregados e 623 mil vagas formais fechadas só este ano, a equipe do presidente em exercício Michel Temer estuda formas de tornar viáveis duas novas modalidades de contrato de trabalho: o parcial e o intermitente. As propostas fazem parte da reforma trabalhista que será, ao lado da previdenciária, uma prioridade da agenda econômica caso o impeachment de Dilma Rousseff seja concretizado.

Tanto no trabalho parcial quanto no intermitente, a jornada de trabalho será menor do que as 44 horas previstas na legislação atual. Os direitos trabalhistas, como férias e 13.º salário, seriam calculados de forma proporcional. A diferença entre os dois contratos é a regularidade com que o trabalho ocorre.

No contrato parcial, a jornada ocorre em dias e horas previamente definidos. Por exemplo, a pessoa poderá trabalhar em um bar somente nos fins de semana. Os técnicos acreditam que esse tipo de contrato vai beneficiar principalmente estudantes e aposentados que precisem complementar sua renda.

O trabalho intermitente, por sua vez, é acionado pelo empregador conforme a necessidade. Um técnico do governo exemplifica: o dono de um buffet pode ter um vínculo desse tipo com uma equipe de garçons e cozinheiros. Nos fins de semana em que houver festa, os trabalhadores são chamados. Quando não houver, o empresário não terá custo. O contrato parcial de trabalho já existe na legislação, mas a regulamentação é considerada ruim, o que gera insegurança para o empregador. Por isso, é pouco utilizado. A ideia é aperfeiçoar a legislação. (Estadão
)

segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Saúde

29/08/2016 16:36


Bahiafarma produzirá medicamentos contra câncer e anemia falciforme


Em parceria com o laboratório Cristália, a Fundação Baiana de Pesquisa Científica e Desenvolvimento Tecnológico, Fornecimento e Distribuição de Medicamentos (Bahiafarma) vai produzir em Vitória da Conquista, sudoeste baiano, fármacos para tratamento de tumores (tamoxifeno e capecitabina) e da doença falciforme (hidroxiureia), a fim de atender à demanda do Sistema Único de Saúde (SUS) de todo o país. O acordo prevê a produção de mais de 100 milhões de cápsulas e comprimidos ao ano. O investimento estimado é de R$ 20 milhões na instalação da unidade, que deve gerar cerca de 300 postos diretos de trabalho e ter sua produção também destinada à exportação.

O memorando de entendimento para a construção da fábrica foi assinado pela Bahiafarma e pelo laboratório no dia 22 deste mês, durante viagem do governador Rui Costa a Vitória da Conquista. O galpão para instalação da fábrica já foi construído pela administração municipal. "Nossa estimativa é que a unidade esteja funcionando em um ano", afirmou Rui.

“A subsidiária da Bahiafarma solucionará definitivamente a demanda dos pacientes com anemia falciforme, visto que o mercado brasileiro sofre com irregularidade no abastecimento do medicamento importado”, explicou o secretário da Saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas.

Vilas-Boas ressalta que a Bahia registra a maior incidência da doença no Brasil, por se tratar de uma disfunção que atinge principalmente a população negra. “São mais de quatro mil pessoas cadastradas na Fundação de Hemoterapia e Hematologia da Bahia (Hemoba) com a doença, que deve ser diagnosticada logo após o nascimento, por meio do teste do pezinho. Estima-se que a cada 650 nascidos vivos, um possui a doença e traço falciforme”, disse.
Segundo o diretor-presidente da Bahiafarma, Ronaldo Dias, a assinatura do convênio é mais um passo no processo de expansão da Bahiafarma como um centro indutor de um polo industrial farmoquímico e biotecnológico no Estado. “Além de representar a ampliação dessa indústria no estado, a produção desses medicamentos vai significar, para o SUS, sensível redução de custos para sua aquisição”, destacou.

De acordo com o executivo, a hidroxiureia foi introduzida na lista de medicamentos estratégicos na última reunião do Grupo Executivo do Complexo Industrial da Saúde (Gecis), o que o coloca como potencial participante do sistema de Parcerias para o Desenvolvimento Produtivo (PDPs) – acordos de transferência de tecnologia entre laboratórios privados e públicos – e o qualifica para compra centralizada por parte do Ministério da Saúde. A Bahiafarma pleiteia que os outros dois medicamentos também passem a integrar a lista de medicamentos estratégicos.

“Além disso, serão criados empregos qualificados no interior da Bahiafarma, haverá domínio local de um processo tecnológico avançado e estratégico e o Estado passará a ter uma nova e importante fonte de receita, contribuindo, ainda mais, para a descentralização do Complexo Industrial da Saúde no País”, observou Dias.
Fonte:AGECOM/BA

Desenvolvimento

29/08/2016 19:00

PEC Energia anuncia investimento de R$ 1 bilhão em Gentio do Ouro

Gentio do Ouro, no centro norte baiano, foi o município escolhido para receber investimento de R$ 1 bilhão para a implantação de um complexo eólico, com capacidade instalada de 205,85MW e geração de 500 empregos na fase de construção, além de outros 50 na operação. Um protocolo de intenções foi assinado, nesta segunda-feira (29), pelo titular da Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SDE), Jorge Hereda, e o diretor da PEC Energia, Gilberto Feldman. Na ocasião, a empresa também aderiu ao programa ‘Primeiro Emprego’ criado pelo Governo do Estado.

De acordo com Hereda, a chegada de um empreendimento como este, no semiárido baiano, ajuda a transformar o cenário local. “São [criados] empregos diretos e indiretos, estimula o comércio, a prestação de serviços e gera renda com o arrendamento das terras para a instalação das turbinas”.

Segundo Feldman, vão ser implantados sete parques eólicos na primeira fase do projeto. A previsão é que o investimento na segunda etapa represente o dobro do que foi destinado à primeira etapa. Quando à escolha do estado para instalação do empreendimento, ele disse que “a Bahia tem o maior potencial eólico do Brasil, onde encontramos hoje um dos melhores ventos do mundo”.

Sobre Gentio do Ouro, ele afirmou que “o município ainda é pouco explorado, tem grande potencial eólico, e está prevista a instalação de uma nova subestação, que leva o mesmo nome da cidade, [facilitando] o escoamento da energia”.

Agenda Positiva
Também nesta segunda-feira, o secretário Jorge Hereda promoveu mais uma reunião da Agenda Positiva de Energia Renovável, com a participação de representantes das empresas de energia, do Sindicato da Indústria da Construção do Estado da Bahia (Sinduscon-BA), da Associação Baiana das Empresas Locadoras de Máquinas e Equipamentos (Abelme) e de Arranjos Produtivos Locais.

O secretário Hereda explicou que o objetivo da reunião era promover um ambiente de negócios e aproximação entre os empresários. De acordo com ele, a área de energias renováveis é uma das ações prioritárias do Estado e que a SDE está sempre aberta a intermediar o diálogo entre fornecedor e empresa.

Fonte: Ascom/Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SDE
)

METRÔ DE SALVADOR RECEBERÁ 20 TRENS E ESTARÁ PRONTO EM SETEMBRO DE 2017




29/08 - 07:09hs - Bahiaeconômica

 



O grupo de infraestrutura CCR pretende entregar a linha 2 do metrô de Salvador em setembro de 2017. Quem garante é Luís Valença, presidente da CCR Metrô Bahia que, em reportagem no jornal Valor Econômico desta segunda-feira, disse que mais de 8 mil empregados, entre diretos e indiretos, estão envolvidos na obra.

Segundo ele, até dezembro devem estar concluídas e prontas para operação as estações do primeiro trecho da Linha 2, que vai até o Aeroporto: Acesso Norte, Detran e Rodoviária. As nove restantes têm previsão de serem entregues ao longo de nove meses de 2017.

O empreendimento terá 23 estações, sendo dez com integração de ônibus, e o custo do investimento  será de R$ 4 bilhões, sendo que montante de R$ 1,8 bilhão ficou a cargo da CCR e restante dividido entre o governo federal, com R$ 1,2 bilhão, e o Estado da Bahia, com mais R$ 1 bilhão.

Segundo Valença, a quando a linha 2 estiver pronta, o transporte de passageiros no sistema vai superar 500 mil pessoas ao dia e será um sistema estruturante que vai reorganizar o atual modelo de trânsito na cidade, que, segundo ele, é muito complicado e congestionado.

Serão 40 trens para o sistema, sendo 34 fornecidos pela concessionária, já que os seis restantes foram recebidos quando a empresa assumiu a Linha 1, que estava paralisada, e 20 novos trens já chegaram a  Salvador e serão adicionados à frota.

A CCR terá a concessão  para operação de mais duas estações na linha 1 (Brasilgás e Águas Claras/Cajazeiras) e uma na linha 2, a de Lauro de Freitas, que estão em vias de serem licitados pelo governo do Estado.

O grupo CCR, que tem como acionistas controladores a Camargo Corrêa, Andrade Gutierrez e Serveng-Civilsan (do grupo Soares Penido), também se prepara para disputar a concessão do Aeroporto de Salvador.

domingo, 28 de agosto de 2016

Bahia 3 X Paraná 0


Partida que apresentou fases distintas com o Bahia iniciando no ataque procurando resolver de forma imediata o jogo, desguarnecendo sua defesa por posicionamento equivocado do meio de campo e com seu ataque sem a objetividade necessária para vencer a defesa do Paraná que usava de contra ataques e chegou a ter oportunidades de gols, com Muriel salvando o Bahia com uma arrojada defesa.
O Bahia até metade do primeiro tempo ainda não havia dado um único chute ao gol do Paraná que tinha uma defesa marcando corretamente e jogava buscando erros do adversário para fazer um gol e se fechar na retaguarda para garantir um bom resultado.
A partir dos 30 minutos o Bahia melhorou seu meio de campo, sua defesa ganhou uma postura e consistência de boa qualidade e seu ataque cresceu de produção e entre os lances de perigo contra a meta do Paraná o lançamento de Edigar Junio para Allano que perdeu ótima oportunidade de fazer o gol permitindo boa defesa do goleiro do Paraná e Moisés que após boa jogada pela esquerda concluiu potente chute que bateu na trave.
O Bahia fez uma série de ataques, mas o primeiro tempo acabou com zero X zero no marcador. O que deixou a torcida entre temerosa, desconfiada e apreensiva e alguma coisa precisava acontecer com instruções de Guto aos seus comandados no intervalo do jogo.
 O Bahia voltou melhor e logo no inicio do segundo tempo Edigar Junio faz o primeiro gol do Bahia, o 2º aconteceu com Juninho de fora da área e o 3º com jogada pessoal de Allano que fez a torcida esquecer o gol perdido no 1º tempo.
Os três x zero poderia ter chegado a 4, 5 e até seis, pois as oportunidades foram criadas, perdidas ou defendidas pelo goleiro adversário, com destaque para Renato Cajá que em grande lance encobriu o goleiro adversário e a bola foi de encontro ao travessão superior.
Um bom resultado e que mostra o inicio da recuperação quando dos 63 pontos disputados o Bahia chega aos 31, equivalente a 49,21% de aproveitamento e ao 6º lugar na classificação embora acompanhado por outros clubes com a mesma pontuação.
O caminho a percorrer é ainda muito grande, pois temos 17 jogos a realizar e precisamos ganhar 13 ou mais 39 pontos que assegura sem nenhuma dúvida a subida para a 1º divisão do brasileiro.
O segundo tempo foi excelente e os melhores jogadores do Bahia foram Eduardo, Edigar Junio e Moisés.

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Novo complexo eólico vai gerar 1,2 mil empregos no norte baiano


Governo

24/08/2016 17:50

A construção de um complexo eólico em Umburanas e Sento Sé, no norte da Bahia, vai gerar 1,2 mil empregos diretos na fase de implementação. O governador Rui Costa e o presidente da Engie Brasil Energia, Eduardo Sattamini, assinaram o protocolo para o início das obras nesta quarta-feira (24), na Governadoria, no Centro Administrativo da Bahia (CAB), em Salvador. Com um investimento de R$ 1,7 bilhão, as obras do Complexo Campo Largo começam em setembro.

De acordo com Rui, os investimentos em energia eólica transformam o semiárido baiano. “Um exemplo é a cidade de Caetité, que se transformou com a energia eólica. Os hotéis duplicaram de tamanho, surgiram novas pousadas, restaurantes e lojas; a cidade mudou o perfil. A região norte também vai passar por essa transformação positiva. Nós já temos em Jacobina uma fábrica de torres. E a nossa combinação é que todo o serviço contratado, inclusive de construção civil, seja da Bahia, desde que dentro de uma relação de preço compatível com o mercado”.

O governador lembra ainda que a Bahia tem potencial para produção de energia alternativa a partir de diversas fontes. “A Bahia, além de ser de todos os santos, é também de todos os ventos. Temos também investimentos na energia solar, que dá os primeiros passos, e é outro vetor importante de desenvolvimento do semiárido. Estamos trabalhando ainda no litoral, com outra possibilidade, que são as termelétricas. A Bahia, portanto, tem o petróleo, o vento, o sol e o gás. Nós queremos explorar isso para gerar emprego e renda”.

Segundo Sattamini, o complexo começa a funcionar em junho de 2018. “Houve a venda desse complexo no mercado regular, para as distribuidoras, e o nosso compromisso é que, a partir de primeiro de janeiro de 2019, a gente tenha os contratos remunerando essa energia. A maior parte da mão de obra começa a ser treinada já desde agora”, explica o presidente da Engie Brasil Energia.

Na primeira das três fases do projeto, serão 326 megawatts de capacidade instalada, com 121 aerogeradores. Atualmente, a Bahia é o segundo maior estado brasileiro em produção de energia eólica, com 68 usinas em operação. O Governo do Estado trabalha para assumir a liderança nacional desse setor até 2020. “O apoio do Estado é fundamental para que a gente tenha tranquilidade para empreender, consiga as licenças necessárias e o diálogo com as comunidades”, acrescenta Sattamini.

O presidente da Engie Brasil Energia destaca ainda as características geográficas favoráveis da Bahia. “O potencial eólico e solar da Bahia é muito grande e há alguns anos nós pesquisamos áreas para empreender. Hoje nós temos uma área grande no Complexo Campo Largo, onde estamos começando a fase número um”.

Repórter: Raul Rodrigues

Mudança em Tóquio-2020 impede que Isaquias repita 3 medalhas




Descrição: Esporte ao MinutoDescrição: Esporte ao Minuto


Notícias Ao Minuto4 horas atrás

 

Descrição: http://img-s-msn-com.akamaized.net/tenant/amp/entityid/BBw24mV.img?h=486&w=728&m=6&q=60&o=f&l=f© Fornecido por New adVentures, Lda.

Isaquias Queiroz, de 22 anos, não vai conseguir repetir as três medalhas conquistadas na Rio-2016 na próxima edição dos Jogos Olímpicos. É que a Federação Internacional de Canoagem tirou do programa olímpico de Tóquio-2020 a prova C1 200 m, na qual o canoísta brasileiro faturou um bronze.
De acordo com a Folha de S.Paulo, a decisão acontece para que duas provas femininas de cano sejam incluídas na Olimpíada do Japão. E para isso, duas masculinas foram retiradas.
Em entrevista à Folha, o treinador de Isaquias comentou a exclusão. "Não gosto porque é uma decisão injusta com os velocistas. Podiam ter ao menos incluído uma prova de 500 m. Deste jeito, matam uma geração de velocistas, uma aposentadoria por decreto", disse o espanhol Jesus Morlán.
Além do bronze na C1 200m obtido nos Jogos do Rio, Isaquias faturou também duas pratas: uma na C1 1.000 e outra na C2 1.000. A última com Erlon Souza, nas duplas.
"Nunca na história houve um medalhista em provas de 200 m e 1.000 m em Olimpíadas. Nunca houve também um canoísta com três medalhas na mesma edição. Exceto Isaquias", ressaltou Morlán.

 

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Governo solicita ao Ministério do Esporte apoio para centro de canoagem

Governo


23/08/2016 19:28


O nome da Bahia tem tudo para ser ainda mais divulgado nas próximas olimpíadas. É que, nesta terça-feira (23), o governador Rui Costa esteve com o ministro dos Esportes, Leonardo Picciani, para reforçar uma solicitação que chegou à pasta em 2015: a construção do Centro de Treinamento de Canoagem na região de Ubaitaba, por onde passam as águas do Rio de Contas. Os recursos são de aproximadamente R$ 8 milhões.

O exemplo do medalhista olímpico Isaquias Queiroz, filho de Ubaitaba, foi lembrado pelo governador durante a reunião. Na canoagem, o atleta baiano fez história, conquistando três medalhas na Olimpíada Rio 2016. O ministro disse que já “conversou com a Confederação Brasileira de Canoagem” e garantiu total empenho para a efetivação do equipamento na Bahia.

Outro projeto também de conhecimento do ministério é o Centro de Treinamento de Boxe e Lutas Olímpicas da Bahia a ser construído em Salvador. Em 2015, a solicitação também chegou a Brasília. Para esta iniciativa, os recursos federais também devem ser empenhados e a obra vai ser realizada. O governador já anunciou que começa no início de 2017 e o valor deve chegar a R$ 15milhões.

"O esporte sempre esteve no nosso radar. Sou um apaixonado pela educação, tenho a determinação de construir com os baianos uma sociedade de paz, e o esporte é caminho para tudo isso", afirmou Rui. O governador pontuou as histórias de superação de Isaquias e do pugilista Robson Conceição, dois atletas olímpicos, mostrando ao ministro o orgulho que os baianos têm desses campeões e o bom impacto do desempenho deles nas comunidades carentes da Bahia. "O exemplo convence. Queremos convencer a juventude baiana a trilhar o caminho do bem", enfatizou Rui.
Fonte:AGECOM/BA

BAHIAFARMA VAI CONSTRUIR NOVA FÁBRICA EM CONQUISTA




 

Descrição: http://www.bahiaeconomica.com.br/ckfinder/userfiles/images/650x375_bahiafarma-produzira-medicamentos_1661633.jpg
 

Em parceria com o laboratório Cristália, a Bahiafarma vai produzir em Vitória da Conquista, sudoeste baiano, fármacos para tratamento de tumores (tamoxifeno e capecitabina) e da doença falciforme (hidroxiureia), a fim de atender à demanda do Sistema Único de Saúde (SUS) de todo o país. O investimento estimado é de R$ 20 milhões na instalação da unidade, que deve gerar cerca de 300 postos diretos de trabalho e ter sua produção também destinada à exportação.
 

O memorando de entendimento para a construção da fábrica foi assinado pela Bahiafarma e pelo laboratório na última segunda-feira, durante viagem do governador Rui Costa a Vitória da Conquista. O galpão para instalação da fábrica já foi construído pela administração municipal.

"Nossa estimativa é que  a unidade esteja funcionando em um ano", afirmou Rui Costa. "A subsidiária da Bahiafarma solucionará definitivamente a demanda dos pacientes com anemia falciforme, visto que o mercado brasileiro sofre com irregularidade no abastecimento do medicamento importado", afirma o secretário da Saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas. Vilas-Boas ressalta que a Bahia registra a maior incidência da doença no Brasil, por se tratar de uma disfunção que atinge principalmente a população negra.(A Tarde)